Sacola de Compras

* Calcule seu frete na página de finalização.

* Insira seu cupom de desconto na página de finalização.

12/03/2020

O poder das plantas

Toda casa tem pelo menos uma plantinha decorando algum espaço. Folhas grandes, pequenas, com ou sem flores, exalando cheiros ou colorindo a sala. Todas têm seu papel. Mas, apesar de muita gente saber, poucas pessoas fazem uso dos poderes medicinais e purificadores das plantas, simplesmente por não conhecerem cada espécie e suas utilidades.

 

Desde os tempos pré-históricos, muito antes do surgimento da escrita, as plantas são usadas para fins medicinais e alimentares. Na procura de plantas próprias para alimentação ou para cura de suas doenças, o homem conseguiu descobrir a finalidade de muitas ervas disponíveis na natureza.

 

Há pelo menos cinco mil anos essas ervas são objetos de estudo e estão presente em importantes ritos religiosos, inclusive na Bíblia. Há antigos escritos ocidentais, desenvolvidos por culturas da China, Assíria, Egito e Índia, registrando o uso de plantas, com receita médicas e cosméticas.

 

Poder das plantas é conhecido pelos humanos há milênios.

Esse tipo de tratamento perdeu popularidade, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, com os avanços da produção de drogas químicas e ciências médicas, nos séculos 18 e 19.

Mas é medicinalmente comprovado que as plantas foram os primeiros recursos terapêuticos utilizados pelas civilizações antigas e, ao longo dos anos, suas utilidades foram aperfeiçoadas e transmitidas entre gerações.

 

 

Na Índia, por exemplo, as ervas eram utilizadas para tratamento de doenças. Já os antigos egípcios usavam os aromas que eram consagrados às divindades e lá surgiu a aromaterapia, um ramo da fitoterapia. Na Babilônia registra-se que os jardins do rei Nabucodonosor possuía alecrim e açafrão. Aqui no Brasil, observou-se o uso de ervas pelos índios, desde a época do descobrimento, como o Urucum, aplicado na pele para repelir mosquitos, além de outras plantas usadas em ferimentos e enfermidades.

No final do século XVIII, o naturalista sueco Carl Lineu criou um sistema de nomenclatura botânica, dividindo as plantas em classes, o que permitia um estudo mais específico de cada uma.

Com a Revolução Industrial e o crescente mercado de medicamentos, o poder das plantas passou a ser menosprezado. Apesar disso, hoje o mundo inteiro, seduzido e convencido pelos benefícios indiscutíveis das ervas, tenta redescobrir os valores medicinais das plantas.

 

O surgimento do mercado de medicamentos desvalorizou o valor das plantas

Para usufruir de todos os benefícios das plantas, é importante conhecê-las e aprender a manuseá-las, de forma que sejam bem aproveitadas. O Agrião, por exemplo, popular na mesa brasileira, possui ação anti-inflamatória das vias respiratórias e o Alecrim alivia manchas de hematomas. A Alfazema, utilizada em banhos de imersão pelos gregos, tem suas folhas usadas para conjuntivite e suas flores para tratamento de bronquite e enxaqueca. A Arnica trata problemas de pele e a Aloe Vera (babosa) é boa para recuperar a pele de queimaduras.

 

Além de fins curativos, as plantas também têm poder purificador. Os Cactos, por exemplo, se posicionados perto de aparelhos de TV e rádio, podem barrar as ondas eletromagnéticas, além de serem plantas muito fáceis de cuidar. As Bromélias absorvem a fumaça das panelas no fogão e a Gérbera acaba com o odor de cigarros.

 

Cultivar plantas em casa traz inúmeros benefícios a saúde física, emocional e mental.

 

 

Ainda não se sabe tudo sobre o assunto, embora os alquimistas continuem progredindo nos estudos e novas fórmulas. O que todos podem concluir é que por trás da grande indústria farmacêutica, seja para curar, embelezar ou melhorar a qualidade de vida das pessoas, existe um antepassado vegetal com tradicional de milhares de anos.

Acompanhe nosso blog e conheça mais dicas de plantas poderosas e como tirar proveito de cada uma.

Talvez você tenha alguma aí na sua casa e não saiba. #plantaemcasaévida heart